Em Nome do Que Eu Sinto (Bebé e Sango)



Não leu a receita do remédio
Isso não funciona com genérico
E tu atrás desses cara, é sério?
Não vê que isso aqui é um império
Acho que tu precisa de um médico

Sem promessas, tu só vê quando acertou
Sem me explanar, eu sou um fuzil com silenciador
Marcando igual tatuagem, amém
Tipo cortesia pro baile, se arruma e só vem

Tipo sexo, quero ser o que mais marca
Foda-se quem foi o primeiro
Não perca tempo com amores que não arrepiam o pelo
E eles se acham quentes, tu sente mais calor até com gelo

Você vê quem é quem no meio da turbulência
Quem treme e quem não teme a consequência
Nem aí se é terra de ninguém
Eu não posso morrer sendo um ninguém

A história vai pra sempre ser lembrada
Seja com amor ou seja um trauma
seja pelo fogo ou pela calma
Seja pela dor ou pela falta
Isso até parece um romance
Por isso você sempre me dá uma última chance

Tenho que relaxar
Porque eu quero parar o que me desespera, eu sei
Mas não quero pensar quando eu quero parar
Meu amor sentindo vários de você
É intenso sentir, deixando atravessar
E depois ter que voltar ao meu lugar
São memórias repetidas diferentes pra lembrar
Que é gostoso deixar o corpo no ar

Quando eu me encontrei, numa culpa imensa
Não me controlei, nem li a receita

O amor ainda é a droga mais perigosa
O amor ainda é a droga mais saborosa
Faz até a dor sumir da gente
Atrás da superdosagem que vai deixar na onda pra sempre

Ela some no fim de semana
Só aparece na segunda
Faz o que quiser de mim
Só porque eu amo aquela bunda

Viu o que o amor é capaz de fazer
Com o ego e com o orgulho
Mesmo assim eu não nego o mergulho

Até damos atenção ao nosso nome
Na boca dos recalcados
Também é uma forma de ser amado
Se fosse só pela grana, era outro corre, era outro papo
O mais rico inveja o mais amado

A gente ama essas ruas
A gente ama essas lutas
A gente ama esse ódio
Não é pelas medalhas, e sim pelo amor que queremos o pódio

Pique um político querendo seu voto
Um protagonista querendo ser o foco
Por isso os antigos revoltados com os mais novos
Com medo de perder o amor pro próximo
Por isso eu nunca me rendo nem fico de joelhos
Em nome do amor que eu sinto por mim mesmo

Sonho que nosso corpo, nosso desejo não vai se blindar
Mas sim questionar o amor que me faz sustentar todo o silêncio pra estremecer.
Desapegados mas sem esquecer do que limita meu movimento
Hoje desbravo novos acalentos já não me importa o quanto é intenso
Sei que tudo é calor do momento por toda lembrança que não me controla
Mas faz encontrar falhas dentro e fora das estruturas de poder amar
Me leva todinha mas eu vou embora
Me marque todinha mais cedo chega minha hora
No corpo o amor parece livre e por dentro chora

Quando eu me encontrei, numa culpa imensa

Comentários