Acalmarei



Ás vezes eu sinto que sou tão pequeno
Que não alcançaria o mais baixo lugar
E que toda a minha vida está pautada apenas
Em sobrevivência sem rumo pra chegar

E ás vezes eu sinto que o mundo inteiro
Quando fecho os olhos se voltar contra mim
E que no mundo não existe apenas um
Que possa entender o que se passa aqui
Sinto que acordar se tornou automático
Como me olhar no espelho e não ver nada de bom
E eu mesma grito bem no fundo de mim
Você não vale nem o sofrimento que te trouxe aqui
Tudo que eu faço no fim dá errado
Tudo que começo não consigo terminar
E o vento me amedronta do que está por vir
Do fundo da minha alma eu não suportarei
Mais uma tempestade

Às vezes eu vejo você reclamar
Sobre sua força e de onde está
Como se sua vida não tivesse um rumo
Sem enxergar o que preparado já está
Às vezes eu vejo sua mente se voltar
Contra você mesmo e te derrubar
Pensando no pior e se privando de Mim
De Me entregar seu fardo e só Me seguir

O seu levantar é pelo Meu mandar
Quando se olhar no espelho use o Meu olhar
Verá minha criação que com todo Meu amor
Sonhei, criei e amei
Com sangue e com dor

Tudo que fizeres tomo direção
Meu filho amado entrega em Minhas mãos
Tudo que tocares frutificarei
Tu és árvore Minha e os frutos colherei
Firma-te na rocha e na raiz que Sou
Te levarei tão alto onde ninguém sonhou
O vento anuncia a tempestade que vem
Mas Eu te anuncio, filho
Sou Eu que acalmarei

Eu acalmarei
Eu acalmarei
Eu acalmarei
Eu acalmarei

Eu acalmarei

O vento anuncia a tempestade que vem
Mas Eu te anuncio, filho
Sou Eu que acalmarei
Sou Eu que acalmarei

Comentários